Estado Forte em combate ao Liberalismo: o projeto antissemita integralista de Gustavo Barroso para o Brasil dos anos 1930; Estado fuerte en combate al liberalismo: el proyecto antisemita integralista de Gustavo Barroso para el Brasil de los años 1930; Strong State in the fight against Liberalism: the integralist anti-Semitic project of Gustavo Barroso for Brazil in the 1930s

Cicero João da Costa Filho

Resumen


Resumo: O projeto integralista almejado por Gustavo Barroso baseava-se no modelo de Estado forte. Diferente da postura de Plínio Salgado e Miguel Reale, que não carregavam o racismo contra a figura do judeu, Barroso pensa a formação do novo Brasil com a eliminação do ‘Povo de Israel’. O judeu era o responsável pelas mazelas do Brasil e do mundo, devido seu caráter anárquico, usurpador, ganancioso, capaz de tudo para obtenção do capital. O liberalismo era conforme Barroso criação judaica, que trouxe ao mundo a miséria social e o caos, quebrando a harmonia social dos tempos medievais. Por isso, o liberalismo devia ser combatido, sob todas as frentes, representado pelo judeu, uma raça de bandidos e criminosos. Comparado a seres infecciosos, era preciso eliminar o judeu para a formação do Brasil integral, pois este era o inimigo número um do país. O liberalismo era um dos principais responsáveis pelo caos político e social, tornando uma sociedade cada vez individualista e materialista, carecendo de um Estado totalitário que colocasse disciplina e ordem. O Brasil pensado por Barroso está na contramão da figura do judeu e suas criações, na ótica do autor, por isso suas críticas e seu racismo a uma raça racista, que não se misturava, não tinha amor a sua pátria, tirava amor da luta de classes e ia fazer a revolução na terra dos outros.  

Resumen: El proyecto integralista pensado por Gustavo Barroso es un proyecto extremadamente complejo y minucioso, basado en la renovación espiritual, en el combate al materialismo judío, responsable de la serie de males nacionales y mundiales. El liberalismo disolvente, el materialismo, el marxismo, el comunismo, eran tenazmente combatidos por Barroso. Aunque el escritor afirme que el integralismo no es un movimiento político, sino cristiano, el Brasil fuerte pensado por el integralista es el encuentro entre el Estado y la Nación, donde la totalidad, la "reunión", la "suma", la "suma, prevalece en detrimento de lo particular. El marxismo y el liberalismo son enemigos del modelo de Estado pensado por Barroso, viabilizando la 'verdadera' democracia.

Abstract: The integralist project thought by Gustavo Barroso is an extremely complex and meticulous project, based on spiritual renewal, in the fight against Jewish materialism, responsible for the series of national and world evils. Dissolving liberalism, materialism, Marxism, communism, were tenaciously opposed by Barroso. Although the writer affirms that integralism is not a political movement, but a Christian, strong Brazil thought by the integralist is the encounter between the State and the Nation, where 'totality', 'reunion', 'sum' to the detriment of the individual. Marxism and liberalism are enemies of the model of the state thought by Barroso, enabling the 'true' democracy.


Palabras clave


integralismo; liberalismo; Gustavo Barroso; racismo; nação; integralismo; marxismo; estado; nación; democracia; integralism; marxism; state; nation; democracy.

Referencias


Barroso, Gustavo. 1935. O que o integralista deve saber. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barroso, Gustavo. 1936. Espírito do século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barroso, Gustavo. 1937. A sinagoga paulista. Rio de Janeiro: Editora ABC.

Barroso, Gustavo. 1937. Brasil, colônia de banqueiros: história dos empréstimos de 1824 a 1894. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barroso, Gustavo. 1937. Integralismo e o mundo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barroso, Gustavo. 1937. Judaísmo, maçonaria e comunismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Barroso, Gustavo. 1938. Comunismo, cristianismo e corporativismo. Rio de Janeiro: ABC.

Bercito, Sônia de Deus Rodrigues. 1991. Ser forte para fazer a nação forte: a educação física no Brasil, 1932-1945. Apresentação de Trabalho/Conferência. São Paulo.

Bertonha, João Fábio. 2001. Fascismo, nazismo, integralismo. São Paulo: Ática.

Carneiro, Maria Luiza Tucci. 2001. O antissemitismo na Era Vargas (1930-1945). 3º Ed. São Paulo: Perspectiva.

Carneiro, Maria Luiza Tucci. 2003. O Veneno da serpente: reflexões sobre o Antissemitismo no Brasil. São Paulo: Perspectiva.

Carneiro, Maria Luiza Tucci. 2010. Cidadão do mundo: o Brasil durante o Holocausto e dos judeus refugiados do nazifascismo (1933-1948). São Paulo: Perspectiva: FAPESP.

Carone, Edgard. 1974. A República Nova (1930-1937). São Paulo: DIFEL.

Carvalho, José Murilo de. 1996. Os bestializados. O Rio de Janeiro a república que não foi 3º. Ed. São Paulo: Cia das Letras.

Chalhoub, Sidney. 1996. Cidade febril: cortiços e epidemias na Corte imperial. São Paulo: Companhia das Letras.

Chaui, Marilena. 1895. Ideologia e mobilização popular. 2º Ed. Rio de Janeiro: CEDEC; Paz e Terra.

Conh, N. 1969. A Conspiração Mundial dos Judeus: Mito ou Realidade. Análise dos Protocolos e outros Documentos. São Paulo: Ibrasa.

Costa Filho, Cícero João da. 2019. Forças do mal: os prejuízos ‘raciais’ da figura do judeu na produção integralista de Gustavo Barroso (1933-1937). São Paulo: Todas as Musas.

Cruz, Natalia dos Reis. 2004. “O Integralismo e a Questão Racial: a Intolerância como Princípio”. Tese doutorado em História. UFF, Programa de Pós-Graduação em História, Niterói.

Cruz, Natalia dos Reis. 2011. “O diálogo entre o moderno e o antimoderno no discurso da Ação Integralista Brasileira”. Estudos Ibero-Americanos 37(2): 196-214.

Cytrynowicz, Roney. 1992. “Integralismo e Antissemitismo nos Textos de Gustavo Barroso na década de 30”. Dissertação de Mestrado. São Paulo: FFLCH.

Fausto, Boris. 1970. A Revolução de 30: História e Historiografia. São Paulo: Brasiliense.

Fernandes, Florestan. 2006. A Revolução Burguesa no Brasil: ensaio de interpretação sociológica. 5º. Ed. São Paulo: Globo.

Gertz, René. 1977. O integralismo e os teuto-brasileiros no Rio Grande do Sul: contribuição para a interpretação de um fenômeno político controvertido. Porto Alegre: UFRGS.

Gomes, Ângela de Castro. 2005. “Autoritarismo e corporativismo no Brasil: o legado de Vargas”. Revista USP 65: 105-19.

Hilton, Stanley. 1977. O Brasil e a Crise Internacional (1930-1945): cinco estudos. Coleção Retratos do Brasil, volume 99. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Jesus, Carlos Gustavo Nóbrega de. 2006. Antissemitismo e Nacionalismo, Negacionismo e Memória: Revisão Editora e as Estratégias da Intolerância, 1987-2003. São Paulo: Unesp.

Lamounier, Bolívar. 1985. “Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República”. Em História Geral da Civilização Brasileira, Tomo III, 3º Volume, nº 9. São Paulo: Difel.

Lenharo, Alcir. 1986. Sacralização da Política. Campinas, São Paulo: Papirus; Editora da Unicamp.

Lesser, Jeffrey. 1995. O Brasil e a questão judaica: imigração, diplomacia e preconceito. Rio de Janeiro: Imago.

Levine, Robert. 1980. O regime Vargas: anos críticos (1934-1938). Rio de Janeiro: Nova Fronteira.

Luizetto, Flávio V. 1975. “Os constituintes em face da imigração: estudo sobre o preconceito e a discriminação racial e étnica na constituição de 1934”. Dissertação de mestrado. Universidade de São Paulo.

Maio, Marcos Chor. 1990. “Qual antissemitismo? Relativizando a questão judaica no Brasil dos anos 30”. Em Repensando o Estado Novo, organizado por Dulce Pandolfi, 229-56. Rio de Janeiro: FGV.

Maio, Marcos Chor. 1992. Nem Rotschild nem Trotsky: o Pensamento Antissemita de Gustavo Barroso. Rio de Janeiro: Imago.

Maio, Marcos Shor y Carlos Eduardo Calaça. 2005. “Um balanço da bibliografia sobre o antissemitismo no Brasil”. Em Os judeus no Brasil: inquisição, imigração e identidade, organizado por Keila Grinberg. São Paulo: Civilização Brasileira.

Menezes, Eduardo Diathay Bezerra de. 2006. Gustavo Barroso: um cearense ariano. Fortaleza: Museu do Ceará.

Milgram, Avraham. 1994. Os judeus do vaticano: a tentativa de salvação de católicos não arianos da Alemanha ao Brasil através do Vaticano (1939-1942). Rio de Janeiro: Imago.

Motta, Rodrigo Patto Sá. 2002. Em Guarda contra o “Perigo Vermelho”: o anticomunismo no Brasil (1917-1964). São Paulo: Perspectiva.

Novinsky, Anita. 1992. Cristãos Novos na Bahia: A Inquisição no Brasil. São Paulo: Perspectiva.

Oliveira, Lúcia Lippi. 1990. A Questão Nacional na Primeira República. São Paulo: Brasiliense.

Rago Filho, Antônio. 1989. “A Crítica Romântica à Miséria Brasileira: o integralismo de Gustavo Barroso”. Dissertação (mestrado em História). São Paulo: PUC-SP, Programa de Pós-Graduação em História.

Ribeiro, Ivair Augusto. 2007. “O Antissemitismo no Discurso Integralista no Sertão de São Paulo: os Discípulos de Barroso”. Em O antissemitismo nas Américas: Memória e História, organizado por Maria Luiza Tucci Carneiro. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; FAPESP.

Sevcenko, Nicolau. 1984. A Revolta da Vacina: mentes insanas em corpos rebeldes. São Paulo: Braziliense.

Silva, Hélio. 1971. 1938: terrorismo em campo verde. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Revista nuestrAmérica, ISSN 0719-3092, es una publicación seriada de investigaciones científicas y académicas con especial interés en el pensamiento crítico y descolonial. La edición es realizada por Ediciones nuestrAmérica desde Abajo Ltda, antes llamado Corriente nuestrAmérica desde Abajo en la ciudad de Concepción, Chile. Esta publicación es coordinada por su directorio desde Argentina, Chile, Brasil y México. Revista nuestrAmérica no aplica ningún tipo de cobro por procesamiento de contenidos y adhiere a las políticas de acceso abierto. Esta revista adhiere a las políticas mínimas comunes del primer acuerdo de Deycrit-Sur. Todo lo aquí publicado se realiza exclusivamente bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Para más informaciones comuníquese a través del correo contacto@revistanuestramerica.cl